Por que, ó Deus?

Por que, ó Deus?

Michael Horton

Jó era um homem totalmente dedicado a Deus. Ele era tão zeloso da honra de Deus que sempre que ele tirava umas férias de família ele sacrificava ao longo do caminho. Satanás então pergunta a Deus: “Por que ele não seria fiel? Ele é tão próspero, tão saudável, claro que ele vai ser fiel”. Deus então permite que Satanás prove a Jó. O texto é claro em mostrar que Deus não foi passivo. Ele permitiu o sofrimento, ele comissionou o sofrimento para Jó. Como no caso de José, quando o mal que sobreveio a ele foi um bem infligido por Deus. Como Lutero disse, até o diabo é o diabo de Deus. Ele está em rédea curta.

Então vem o desastre. Satanás o ataca no nível de suas posses, e Jó responde dizendo que nu saiu do ventre de sua mãe, e que nu retornaria, louvando a Deus. Satanás então ataca a Jó em seus corpos. Sua esposa ordena que sua esposa o ordena a amaldiçoar a Deus e morrer. “Nós havemos de aceitar o bem do Senhor e não o mal?”. Por que nós aceitaríamos de Deus apenas aquilo que nos faz felizes?

Jó não seguia a teologia da prosperidade, mas ele conhecia alguns amigos que seguiam. Eles passaram uma semana, quietos, vivendo com ele, comendo com ele, mas sem dizer uma palavra. Ele não precisava de um sermão teológico que acabasse com ele, mas de amizade. Com o passar de uma semana, os amigos de Jó começaram a pregar sermões pra ele. “Jó, pense como você instruiu a tantos, suas palavras deram forças àqueles que tropeçavam, você fortaleceu joelhos trôpegos, mas agora a dificuldade vem bater a sua porta, e você está desanimado?”.

Não sei de onde saiu a expressão “Paciência de Jó”, mas ele não conseguia ser paciente na angustia. “Por que eu tenho que ser paciente? Será que eu tenho a força de uma pedra e a minha energia como o bronze?”. Ele não aguentava mais, e isso começou a afetar seu relacionamento com Deus.

A gente acha que quando as pessoas estão sofrendo tudo o que ela precisa é de uma visão de Deus na glória. Muitas vezes pregamos sobre soberania e majestade, mas isso, muitas vezes, esmaga as pessoas. Jó não diz “por que está tão longe de mim?”, mas sim “porque não me deixa em paz por um momento?”. Quando sofremos, costumamos perguntar “onde está Deus?”, mas para Jó, a questão era oposta. Como Jó, nós tiramos conclusão com base em informação limitada. Nós tentamos descobrir o que é que está acontecendo. Tentamos dar uma olhadinha no céu pra ver tudo como Deus vê.

Os amigos de Jó continuam: “se você é justo com Deus, tudo vai melhorar. Você é justo? Quem sabe você está pecando”. Satanás está tentando fazer Jó apostatar. Deus está fazendo com que Jó entenda a justificação pela fé somente, pela graça somente, em Jesus somente.

Os amigos fazem muitos sermões contra Jó. Ele ouve todos os argumentos. Toda aquela teologia furada, e ele simplesmente deita-se novamente em sua cama. Ele coloca seus clamores como um lamento humano, mas ele consegue olhar pela janeira e ver um pouco de esperança. Não saúde e prosperidade, mas é a esperança de outra pessoa que faz os olhos dele se erguerem. “Eu sei que meu redentor vive e que no fim ele estará sobre esta terra, e depois de meu corpo ter sido destruído, ainda em meu corpo eu o verei com meus próprios olhos”.

O último amigo que fala é um jovem. Que isso seja um encorajamento aos Timóteos. Os cabelos brancos falaram muita bobagem, mas o garoto possuía uma teologia muito boa.  Ele encoraja Jó e repreende seus amigos.

Como Jó, devemos implorar diante de Deus pelo socorro assim como um homem implora pelo seu amigo.